O segundo da vida

Standard

Um segundo. Talvez, nem isso.
Quanto, em medida de tempo, vale nossa existência?
Uma ligação, cinco dedos de prosa,
A promessa de uma visita,
O silêncio da incredulidade diante da doença
O anúncio de que alguém querido se foi,
Isto, sem que tivéssemos a oportunidade de dizer o adeus adequado…

Mas existe um adeus para um momento como a morte?
Existem palavras que, mesmo com toda a doçura, possam confortar de verdade alguém
Cuja dor da perda é fresca e sangra?

Privei um grande amigo de uma palavra a mais,
Um segundo a mais de atenção,
Um desapego ligeiro da rotina, que me permitiria
Trocar meia-dúzia de frases confortantes com ele.

Pois é. Apostei no tempo.
Apostei nas oportunidades que o “momento”, este ente caprichoso,
Brinca ao nos oferecer.

Pois o tempo foi mais ligeiro,
A morte, mais astuta,
O prazo, mais sorrateiro.
Perdi um amigo querido,
Mas não o perdi para a vida,
Perdi-o para o tempo, um espaço de minutos, segundos,
Que tornaram minhas palavras de conforto frases ditas ao vento,
Na esperança de que, sem tempo ou espaço, ele possa ouvi-las.

Neste jogo do destino, quem ganhou (ele sempre ganha) foi o tempo.

2 thoughts on “O segundo da vida

  1. Paulo, tempo é a duração limitada das coisas. Se o usamos
    cronológicamente é o início e o fim de uma determinada ação.
    Tudo que ocorre nesse período não pode ser controlado pela
    nossa vontade, sòmente podemos supôr.
    Este é o motivo de estarmos constantemente vigilantes para não sermos pegos de surpresa. Temos toda a vida para nos prepararmos para todos os eventos.
    O vento sopra, arrasta consigo sementes que ao leo serão depositas na terra e quiçá germinem e gerem novos frutos.

  2. Josevane Victor

    Maravilhoso isso… mas lembre que os momentos que teve junto do seu amigo foram eternos e inesquecíveis…sempre achamos que faltou alguma coisa, um momento, um minuto…por isso sou a favor de aproveitar todas as oportunidades que temos e tiver demonstrar o amor e carinho que tem e temos pelas pessoas do cotidiano e aquelas que estão um pouco mais distante com um telefonema, ou um e-mail. Dizer eu te amo e dar um abraço não é piegas é uma forma de demonstrar nosso carinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>